Oportunidades para Idosos.

UMA NOVA MANEIRA DE CONECTAR AS EMPRESAS E OS CANDIDATOS AOS EMPREGOS: “OS TINDERS DO EMPREGO”

Esqueça a pasta com currículos impressos e a entrega de porta em porta. Quem está à procura de um emprego, agora, deve checar o site das empresas ou portais de vagas.

Conheça os “Tinders do emprego”, as  novas plataformas digitais que chegam promovendo grandes mudanças nas buscas  de emprego tanto pelos candidatos as vagas quanto, na buscas de candidatos as vagas emprego feitas pelas as empresas.

Filas de emprego, classificados de jornais e o envio de currículos podem estar com os dias contados. Isso devido ao desenvolvimento de aplicativos que conectam empresas e profissionais de acordo com as características especificadas, uma espécie de “Tinder do Emprego”.

O consultou e engenheiro de telecomunicações Ricardo Bassoi, 44 anos, confessa ter ficado incrédulo ao conhecer o aplicativo. Mesmo assim, topou a ideia de se cadastrar em uma das plataformas disponíveis no mercado de trabalho. Ele foi selecionado por uma empresa e aprovou a ideia.

“Eles fazem um casamento quase perfeito da empresa com o profissional cadastrado no banco de dados. Esse ‘match’ garante um sucesso muito bom, tanto para o profissional que vê empresas interessadas pelo perfil dele, quanto para a empresas que buscam um trabalhador muito específico”, avalia Bassoi.

IBGE: País perde 380 mil vagas com carteira assinada em um ano

No Empreguei, o candidato se cadastra no aplicativo e faz quatro testes online para que seja identificado os perfis comportamental e profissional dos profissionais. As empresas, que precisam fechar um contrato com a plataforma, seguem o mesmo procedimento e indicam as especificações dos trabalhadores que procuram.

“Quando o sistema faz o ‘match’ eletrônico, empresa e profissional são conectados e podem conversar dentro da própria plataforma. […] Se entrar alguma vaga compatível com o perfil do candidato, ele recebe imediatamente uma notificação no celular”, explica Furtado.

Mais focada na contratação de profissionais com competências específicas para projetos, a Alstra foi desenvolvida a partir da percepção de que o mercado de trabalho apresentava um “modelo relativamente ineficiente”, conforme explica Cai Igel, fundados da plataforma 100% online. “A gente viu uma oportunidade de ajudar empresas e consultores.”

Apesar da maior parte das vagas criadas pela Alstra serem por um período “entre três e seis meses”, Igel avalia que o aplicativo é utilizado muitas vezes como uma porta de entrada aos profissionais no mercado de trabalho.

Projeto do governo

A ideia de conectar empresas e trabalhadores também aparece como uma das metas iniciais do governo federal para reduzir a quantidade de profissionais desocupados, que somavam 12,7 milhões no trimestre encerrado em janeiro, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A proposta do Planalto, nomeada de “Sine Aberto”, visa abrir cadastros de desempregados para empresas privadas do setor de recrutamento. O projeto leva em conta que menos de 3% dos trabalhadores admitidos nos 11 primeiros meses de 2017 fez uso do Sine (Sistema Nacional de Emprego).

FONTE: https://noticias.r7.com/economia/tinders-do-emprego-conectam-empresas-e-profissionais-28022019